O nome técnico oficial é Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) — que consiste em uma condição de saúde caracterizada por déficit na comunicação social (socialização e comunicação verbal e não verbal) e comportamento (interesse restrito ou hiperfoco e movimentos repetitivos). Existem muitos subtipos do transtorno, de maneira que vários níveis de suporte que necessitam, desde pessoas com outras doenças e condições associadas (concorrências), como deficiência intelectual e epilepsia, até pessoas independentes, com vida comum, algumas nem sabem que são autistas, pois jamais tiveram diagnóstico.

As causas do autismo são, majoritariamente, genéticas. Segundo estudos recentes, um trabalho científico de 2019, demonstrou que fatores genéticos são os mais importantes na determinação das causas (estimados entre 97% e 99%, sendo 81% hereditário). É importante frisar que o autismo não é uma doença, mas sim um modo diferente de se expressar e reagir, que, apesar de não ter cura, não se agrava com o avanço da idade.  No entanto, quanto mais cedo for realizado o diagnóstico e iniciado o tratamento, melhores serão a qualidade de vida e a autonomia da pessoa.

O tratamento para autismo é realizado assim que identificado o transtorno de acordo com as necessidades individuais da pessoa. Alguns podem se concentrar mais em um tipo de especialidade, enquanto outros podem se beneficiar de todas as terapias no mesmo nível de intensidade.

Dentro da mesma especialidade, como fonoaudiologia e fisioterapia, os profissionais, paciente e cuidadores (no caso, dos autistas mais comprometidos) irão planejar o tratamento de acordo com as necessidades percebidas. O objetivo sempre será desenvolver as áreas em que pacientes e especialistas identifiquem serem mais importantes.

Terapia Ocupacional no tratamento do autismo.

Um terapeuta ocupacional busca trabalhar três principais áreas: atividades de vida diária, atividades relacionadas a escola e atividades relacionadas ao brincar. O objetivo é ajudar o indivíduo com transtorno do espectro autista a se tornar mais independente e melhorar a qualidade de vida em casa e na escola.

O terapeuta ajuda a introduzir, manter e melhorar as habilidades para que os autistas possam chegar à independência e fazer parte da sociedade.

Tratamento Fisioterapêutico.

O tratamento fisioterapêutico do TEA consiste no treinamento de tarefas que estimulem as habilidades motoras da pessoa autista, trabalhando para desenvolver e aprimorar as funções básicas, como andar, sentar, ficar de pé, jogar, rolar, tocar objetos, engatinhar e a se locomover de maneira geral. O fisioterapeuta trabalha toda coordenação motora grossa e também se concentra no desenvolvimento da força muscular.

Fonoaudiologia aplicada para Autismo.

A fonoaudiologia é uma terapia fundamental para ajudar no processo de desenvolvimento da linguagem. O primeiro passo é avaliar quais são os recursos linguísticos e comunicativos utilizados pela criança e construir um plano de tratamento para desenvolver as áreas que apresentam dificuldades.

No caso dos autistas severos e moderados, pode ser necessário utilizar métodos alternativos de comunicação como os PECS, onde a criança aprende trocar o símbolo pelo objeto desejado. Por isso, a avaliação fonoaudiológica é importante para que se desenvolva um trabalho específico para cada paciente.

Conheça os serviços disponibilizados pela Prosense para tratamento de TEA no site www.prosense.com.br , ou pelo telefone (31) 99353-0205.

Dia Mundial de Conscientização do Autismo: 2 de abril.

Em 2007, a Organização das Nações Unidas – ONU declarou todo dia 2 de abril como o Dia Mundial de Conscientização do Autismo, quando cartões-postais do mundo todo se iluminam de azul (cor escolhida por haver, em média, 4 homens para cada mulher com TEA).

A partir de 2020, a Revista Autismo passou a lançar uma campanha nacional com um tema único para todo o Brasil para celebrar o 2 de abril. O primeiro tema foi “Respeito para todo o espectro — #RESPECTRO” e este ano o tema é “Lugar de autista é em todo lugar!”, com a hashtag #AutismoEmTodoLugar.

 

Revista científica, 2009

www.prosense.com.br/tratamentos/tratamentos-para-autismo/

Estimulação Elétrica Transcraniana – na clínica Prosense tem!

Se uma parte do corpo for lesada, seu médico pode recomendar fisioterapia para melhorar e restaurar a força e a função do músculo, ligamento ou tendão lesionado. A mesma teoria vale para o cérebro. O cérebro, assim como qualquer outra coisa em seu corpo, pode exigir fisioterapia se algo infligir danos ao sistema nervoso.

Leia mais

Critério Diagnóstico para o Autismo - DSM-5

O diagnóstico de autismo apresenta desafios específicos para os profissionais de saúde, pois, em comum com outros transtornos do neurodesenvolvimento e a maioria dos transtornos psiquiátricos, não há biomarcadores utilizados na prática clínica.

Além disso, a condição é heterogênea, com uma ampla gama de níveis de gravidade e expressão de sintomas, e as características comuns ao autismo podem ocorrer em pessoas com outras condições. Aqueles que vêm para o diagnóstico também podem ter sintomas de outras condições, como epilepsia, dificuldade de aprendizagem ou distúrbios do sono, por exemplo, complicando ainda mais o diagnóstico, com alguns defendendo uma descompartimentalização dessas condições em crianças mais novas.

Em 2013, a American Psychiatric Association lançou a quinta edição de seu Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5). O DSM-5 é agora a referência padrão que os profissionais de saúde usam para diagnosticar condições mentais e comportamentais, incluindo autismo.

Leia mais

TIPOS DE AUTISMO

Falava-se sobre diferentes tipos de autismo, como transtorno autista, síndrome de Asperger, transtorno invasivo do desenvolvimento sem outra especificação (PDD-NOS). Mas agora são todos chamados de “ transtornos do espectro autista – TEA”. Esses transtornos são caracterizados por três déficits principais: comunicação prejudicada, interação social recíproca prejudicada e padrões de comportamento ou interesses restritos, repetitivos e estereotipados.

Leia mais

Autismo e Estimulação Cerebral não Invasiva

Pessoas com autismo apresentam déficits em vários domínios, como cognição, memória, atenção, reconhecimento e regulação de emoções e habilidades sociais.

Na última década, métodos de estimulação cerebral não invasiva (NIBS), ou seja, estimulação transcraniana por corrente contínua (tDCS) e estimulação magnética transcraniana (TMS), foram examinados como novas opções terapêuticas para modificação da neuroplasticidade patológica (ou mesmo indução de plasticidade) envolvida em transtornos neuropsiquiátricos, incluindo TEA.

Leia mais

Você sabia que a Fisioterapia Neurofuncional infantil é regida por uma série de princípios que norteiam a recuperação dos pacientes? E que esses princípios são postos em prática por meio de um tratamento moderno e avançado, capaz de permitir o cuidado de diversas condições neurológicas?

Leia mais