Quando você vai precisar da Fisioterapia Pélvica?

A Fisioterapia Pélvica é uma especialidade que atua na reabilitação das disfunções do assoalho pélvico, que é o conjunto de músculos, ligamentos e fáscias que sustentam órgãos como bexiga, útero, intestino e tudo que fica na região baixa do abdômen. Um dos problemas mais frequentes referentes ao compartimento pélvico é a incontinência urinária (perda de urina em algumas situações específicas), sendo que o treinamento dos músculos do assoalho pélvico é considerado o tratamento padrão ouro para essa condição. Além disso, a fisioterapia pélvica aborda casos como constipação intestinal e disfunções sexuais (dor na relação sexual, falta de lubrificação e disfunção erétil). Por envolver diferentes problemas, a Fisioterapia Pélvica abrange tratamentos nas áreas de Urologia (responsável pelo sistema urinário); Ginecologia (sistema ginecológico); Coloproctologia (envolve sistema intestinal e estruturas relacionadas); Sexologia e Obstetrícia.

Precisa dessa especialidade? Agende agora mesmo uma consulta.

Em quais situações pode ser indicada?

  • Pacientes com bexiga e intestino neurogênicos;
  • Pacientes que fazem uso de cateterismo vesical;
  • Disfunções sexuais (dificuldade de iniciar e manter a ereção);
  • Acometimentos neurológicos, dentre eles:
  • AVC
  • TCE
  • Lesão medular
  • ELA

A Prosense conta com uma equipe interdisciplinar composta por fisioterapeutas neurofuncionais, terapeutas ocupacionais e fonoaudiólogos. Agora, teremos mais uma especialidade, a Fisioterapia Pélvica, com profissionais de alta performance para atuar com excelência em cada caso específico.

Agende agora mesmo uma consulta. Clique aqui para agendar

O que é feito em uma sessão de Fisioterapia Pélvica?

Inicialmente é feita uma avaliação criteriosa e especializada para descobrir a causa dos desconfortos na região e as variantes que são determinadas a partir da disfunção e o caso clínico específico do paciente. Além do assoalho pélvico, investigam-se regiões como abdômen, coluna e quadris, e outros tecidos como as fáscias. A partir dessa ampla avaliação músculo-esquelética e biomecânica, o profissional poderá traçar metas e objetivos para estruturar os melhores recursos para o tratamento.

As técnicas que o profissional ensina para o paciente consistem em contrair e relaxar a região do assoalho pélvico e em conjunto o trabalho com a respiração de forma adequada, pois os exercícios de respiração influenciam diretamente na eficácia do tratamento. Na Prosense respeitamos o processo e a individualidade de cada paciente.

Está precisando fortalecer a musculatura dessa região?

Então, agende sua consulta hoje mesmo! CLIQUE – AQUI

Manifestações Clínicas (Sintomas):

Ocorrem quando há disfunção do assoalho pélvico e envolvem:

  • Constipação;
  • incontinência fecal;
  • Prolapso (queda ou saída de um órgão de sua posição normal) dos órgãos pélvicos;
  • Incontinência urinária;Disfunção sexual;
  • Dores crônicas (como a vulvodínia).

A análise é feita de forma minuciosa considerando o histórico e quadro clínico.

O tratamento pode ser feito de diferentes formas:

Na ProSense temos a tecnologia de Biofeedback é uma das opções de recurso terapêutico que auxilia no tratamento da disfunção do assoalho pélvico. É realizado com auxílio de um fisioterapeuta, não é doloroso, e é capaz de ajudar o paciente a compreender e ter mais consciência do movimento certo através de um feedback visual.

Medicação: podem ser prescritos relaxantes musculares.

Técnicas de relaxamento: envolve banhos quentes, ioga e exercícios.

Cirurgia: quando o médico determina que a disfunção do assoalho pélvico resulta de uma retocele ou prolapso retal, a cirurgia pode ser necessária.

Precisa dessa especialidade? Agende agora mesmo uma consulta. CLIQUE – AQUI

Referências:

https://abrafism.org.br

Franco, A. S. G., Cardoso, M. N., & da Silva, K. C. C. (2021). A abordagem fisioterapeuta na disfunção erétil. Research, Society and Development10(13), e221101321156-e221101321156.

Bezerra, C. A., Truzzi, J. C., Averbeck, M. A., & Almeida, S. H. M. (2013). Uroneurologia: Recomendações SBU 2013.

DOI: 10.33448/rsd-v10i13.21156.

https://www.infoescola.com