ProSense – Centro de Reabilitação Neurofuncional Integrada

Paralisia Cerebral: tipos e características clínicas

Paralisia Cerebral

A paralisia cerebral afeta principalmente o desenvolvimento dos movimentos, tônus muscular e postura, sendo essencialmente um distúrbio neuromotor. A fisiopatologia subjacente envolve uma lesão no cérebro em desenvolvimento desde o pré-natal até o período neonatal. Embora a lesão neuropatológica inicial não progrida, ao longo do tempo, crianças com Paralisia Cerebral podem desenvolver uma variedade de condições secundárias que impactarão de maneira variável suas habilidades funcionais. Em termos gerais, os déficits motores da Paralisia Cerebral abrangem fenômenos negativos, como fraqueza, fadiga e incoordenação, bem como fenômenos positivos, como espasticidade, clônus, rigidez e espasmos.

Para você que acabou de chegar no site por este artigo, quero que você saiba que a Clínica Prosense, é uma referência nacional em reabilitação de lesões e problemas neurológicos. A equipe multidisciplinar, altamente especializada, e com recursos tecnológicos e instrumental propício para aceleração a independência e reabilitação do seu filho(a).  Seja bem vindo e boa leitura!

 

Tipos e características clínicas

As características específicas de cada tipo de Paralisia Cerebral são:

Os sinais e sintomas comuns de Paralisia Cerebral espástica incluem:

  • Caminhada anormal 
  • Reflexos aumentados 
  • Contraturas (músculos ou articulações permanentemente tensos) 
  • Rigidez em alguma parte do corpo.

A Paralisia Cerebral espástica representa cerca de 70% -80% dos casos. Esse tipo de Paralisia Cerebral também é conhecido como Paralisia Cerebral hipertônica, uma vez que a maioria dos indivíduos apresenta tônus muscular elevado e movimentos bruscos e exagerados. A Paralisia Cerebral espástica é causada por danos ao córtex motor do cérebro, que controla o movimento voluntário. Também é causado por danos aos tratos piramidais, que ajudam a transmitir sinais aos músculos. É por isso que a Paralisia Cerebral espástica é às vezes chamada de “piramidal”. O córtex motor é encontrado em ambos os lados do cérebro, e os tratos piramidais conectam cada lado do córtex motor. Danos no lado direito do córtex motor causam problemas de movimento no lado esquerdo do corpo e vice-versa.

Os sintomas comuns associados à Paralisia Cerebral atetóide incluem:

  • Flexibilidade aumentada nos membros 
  • Problemas de alimentação 
  • Problemas de postura 
  • Corpo rígido

Cerca de 10% das crianças com a doença são diagnosticadas com Paralisia Cerebral atetóide ou Paralisia Cerebral não espástica. Esse tipo de paralisia também é chamado de Paralisia Cerebral discinética. Esta forma é caracterizada por uma mistura de hipotonia e hipertonia, que faz com que o tônus muscular flutue. A principal característica da Paralisia Cerebral atetóide é o movimento involuntário da face, tronco e membros. Este tipo de Paralisia Cerebral é causado por danos aos gânglios da base do cérebro e / ou cerebelo. Os gânglios da base regulam a função motora voluntária e o movimento dos olhos. O cerebelo controla o equilíbrio e a coordenação. A Paralisia Cerebral atetoide é considerada extrapiramidal. Os tratos extrapiramidais no cérebro regulam os reflexos involuntários e os movimentos sinalizados pelos gânglios da base e cerebelo.

Os sintomas comuns de Paralisia Cerebral atáxica incluem:

  • Dificuldade na fala 
  • Problemas com percepção de profundidade  Tremores
  • Afastamento dos pés ao caminhar (aumento da base de suporte)

A ataxia é um tipo de Paralisia Cerebral que causa problemas de equilíbrio e coordenação. A Paralisia Cerebral atáxica representa uma pequena porcentagem dos casos. Aqueles com Paralisia Cerebral atáxica geralmente têm problemas em torno do movimento voluntário. A Paralisia Cerebral atáxica difere de outros tipos de Paralisia Cerebral porque é causada por danos ao cerebelo. O cerebelo é a parte do cérebro que controla o equilíbrio e a coordenação. Pessoas com Paralisia Cerebral atáxica frequentemente apresentam tremores e uma redução no tônus muscular.

Os sintomas comuns de Paralisia Cerebral hipotônica incluem:

  • Articulações e ligamentos flexíveis
  • Falta de controle da cabeça
  • Baixo equilíbrio e estabilidade
  • Músculos mais flácidos

A Paralisia Cerebral hipotônica, também conhecida como Paralisia Cerebral atônica, é uma forma rara de Paralisia Cerebral classificada pelo baixo tônus muscular que causa perda de força e firmeza, resultando em músculos frouxos. A instabilidade e a flexibilidade dos músculos causadas pela Paralisia Cerebral hipotônica podem fazer com que seu filho perca etapas de desenvolvimento, como engatinhar, ficar em pé ou andar.

Os sintomas comuns de Paralisia Cerebral mista incluem:

  • Espasticidade Muscular
  • Movimentos Involuntários (Atetose)
  • Problemas de Coordenação Motora
  • Dificuldades na Fala
  • Variações na Tonicidade Muscular

Às vezes, os danos ao cérebro em desenvolvimento não se limitam a um local. É possível que uma criança desenvolva diferentes tipos de Paralisia Cerebral causados por várias áreas de lesão cerebral. Quando uma criança apresenta sintomas de vários tipos de Paralisia Cerebral, é considerada Paralisia Cerebral mista. Este diagnóstico representa menos de 10% de todos os casos de Paralisia Cerebral. O diagnóstico de Paralisia Cerebral mista mais comum é uma combinação de Paralisia Cerebral espástica e atetóide.

Sinais Clínicos

  • Fala mais tarde do que o normal ou não fala (não verbal);
  • Repetição na linguagem ou movimento, como repetir a mesma palavra ou sons, agitar as mãos ou qualquer movimento repetido;
  • Comunicação não verbal atípica, incluindo evitar o contato visual, dar poucas expressões faciais ou ter um tom monótono;
  • Prefere brincadeiras solitárias ou paralelas em vez de se envolver em brincadeiras associativas ou cooperativas com outras crianças;
  • Extremamente angustiado com as mudanças, incluindo novos alimentos ou mudanças na programação;
  • Preferência por brincadeiras previsíveis e estruturadas em vez de brincadeiras espontâneas ou de faz de conta;
  • Interesse forte e persistente em um tópico específico, parte de um brinquedo ou item.

Movimentos

  • Ausência de movimentos irrequietos
  • Pancadas/golpes repetitivos e de longa duração
  • Movimentos circulares de braços
  • Movimentos assimétricos dos segmentos
  • Movimentos recorrentes de extensão das pernas
  • Surtos sugestivos de excitação, não associados à expressão facial prazerosa
  • Ausência de movimento das pernas
  • Movimentos de lateralização bilateral da cabeça
  • repetitivos ou monótonos
  • Movimentos repetidos de abertura e fechamento da boca
  • Protrusão repetitiva da língua

Postura

  • Incapacidade de manter a cabeça em linha média
  • Postura corporal assimétrica
  • Tronco e membros largados sobre o leito
  • Persistência de resposta tônica cervical assimétrica (RTCA)
  • Braços e pernas em extensão
  • Hiperextensão de tronco e pescoço
  • Punho cerrado
  • Abertura e fechamento sincronizado dos dedos
  • Hiperextensão e abdução dos dedos das mãos

Cada criança apresenta necessidades específicas de reabilitação

A Paralisia Cerebral (PC) resulta de lesões não progressivas no cérebro, gerando limitações de atividade nas crianças afetadas. A ocorrência pode se dar antes, durante ou após o parto, sendo a deficiência física mais comum na primeira infância, com taxas variando de 1,4 a 3,6 casos a cada 1000 nascidos vivos em diferentes países.

Cada criança apresenta necessidades específicas de reabilitação, alinhadas com suas demandas individuais. Possíveis afetamentos incluem alterações de postura, tônus, equilíbrio, sensibilidade, percepção, comunicação, comportamento e marcha.

As consequências da paralisia cerebral estão vinculadas à região do cérebro afetada e demandam avaliação constante por parte do pediatra ou neurologista.

A reabilitação de crianças com Paralisia Cerebral exige um planejamento cuidadoso, incorporando estímulos regulares de maneira lúdica e funcional. O objetivo é atingir os marcos do desenvolvimento, promovendo a participação ativa em diferentes posturas, fundamentais para os denominados “marcos motores”.

Necessidade de Reabilitação

FISIOTERAPIA

A fisioterapia, adota uma abordagem centrada em exercícios, visando fortalecer os músculos, aprimorar a força, flexibilidade, equilíbrio e coordenação motora. Esta modalidade terapêutica não apenas aborda aspectos físicos, mas pode também desempenhar um papel crucial na melhoria da fala, deglutição e respiração, quando necessário.

Intervenções terapêuticas destinadas a crianças com Paralisia Cerebral recebem respaldo de evidências na literatura científica, com eficácia comprovada. Treinamentos motores específicos para tarefas, terapia de contenção induzida, therasuit, plataforma vibratória, estimulação transcraniana, estimulação elétrica funcional, fortalecimento e atividade física, equoterapia e atividades funcionais com suporte parcial de peso surgem como recursos fundamentais no programa de atendimento à Paralisia Cerebral.

TERAPIA OCUPACIONAL

A terapia ocupacional se destaca como uma escolha altamente eficaz para aprimorar a qualidade de vida e promover a independência de crianças nas atividades diárias, tanto em casa quanto na escola, abrangendo habilidades como alimentação e locomoção.

Durante as sessões de terapia ocupacional, os profissionais desempenham um papel crucial ao orientar a utilização de equipamentos auxiliares, como talheres especializados, andadores ou cadeiras de rodas. Essas intervenções não apenas têm o objetivo de aprimorar a execução dessas atividades, mas também se baseiam em evidências científicas, consolidando a eficácia dessas abordagens na literatura especializada. O foco é proporcionar à criança não apenas assistência, mas também capacitar seu desenvolvimento independente e funcional.

FONOAUDIOLOGIA

A intervenção fonoaudiológica se apresenta como uma recomendação assertiva para aprimorar a capacidade de comunicação, abrangendo tanto a fala quanto a linguagem de sinais. Além disso, ela se destaca no enfrentamento de desafios relacionados à alimentação e deglutição, sendo essencialmente conduzida sob a orientação competente do fonoaudiólogo.

Este profissional não apenas busca a melhoria dessas habilidades comunicativas e alimentares, mas também respalda-se em dados científicos robustos, consolidando a eficácia dessa abordagem na literatura especializada. É por meio da expertise do fonoaudiólogo que estratégias personalizadas são implementadas, visando não apenas superar as dificuldades presentes, mas também potencializar o desenvolvimento global do paciente.

A PROSENSE PODE AJUDAR!

Cada criança tem necessidades distintas de reabilitação, e na clínica ProSense, personalizamos o atendimento para atender às demandas específicas do seu filho(a).

⭐Na ProSense, direcionamos os exercícios e estímulos para fortalecer os músculos, aprimorar a força, flexibilidade, equilíbrio e coordenação motora. Nosso foco principal é a melhoria da funcionalidade e a promoção da participação social.

Nossa clínica, uma das mais completas e bem estruturadas do Brasil, dispõe de profissionais de alto nível e desempenho. Proporcionamos conforto e um ambiente ideal para otimizar os tratamentos realizados.

Contamos com uma equipe interdisciplinar, equipada com os melhores recursos, pronta para realizar avaliações e tratamentos. Entre em contato conosco, a ProSense está aqui por você!

Sua primeira vez no nosso site?

A Clínica Prosense é referência nacional em reabilitação de lesões e problemas neurológicos.
Trazemos inovações de todo o mundo e tratamos com a excelência que você merece!
Marque uma avaliação pelo Whatsap ou nos telefones:(11) 5199-9033| (31) 3088-2135

Responsável ProSense:

Dra. Michelle Coutinho Atherton
Fundadora – CEO – Fisioterapeura Neurofuncional
Mestre em Neurologia . UFMG
CREFITO: 118113F

REFERÊNCIAS:

Patel DR, Neelakantan M, Pandher K, Merrick J. Cerebral palsy in children: a clinical overview. Transl Pediatr. 2020;9(Suppl 1):S125-S135. doi:10.21037/tp.2020.01.01 Jan MM. Cerebral palsy: comprehensive review and update. Ann Saudi Med. 2006;26(2):123-132. doi:10.5144/0256-4947.2006.123 Bangash AS, Hanafi MZ, Idrees R, Zehra N. Risk factors and types of cerebral palsy. J Pak Med Assoc. 2014 Jan;64(1):103-7. PMID: 24605730.

Leia também